Olhando pra Lisboa, ali tão perto ............... lá no alto, de cabelos ao vento................................ o Cristo-Rei foi pregar para o deserto ..................... e deixou os camelos em... «Belém»!

=========================================

FRASES INTEMPORAIS APLICADAS À POLÍTICA

1 - O cigarro adverte:

"o governo faz mal à saúde!"

2 - Não roube,

“o governo detesta concorrência.”

3 - Errar é humano.

“Culpar outra pessoa é política.”
4 - Autarcas portugueses
"São os mais católicos do mundo. Não assinam nada sem levar um terço.

5 - Se bem que…

"o salário mínimo deveria chamar-se gorjeta máxima".

6 - Feliz foi Ali-Babá que:
"não viveu em Portugal e só conheceu 40 ladrões!!!..."

7 - Não deixe de assistir

"ao horário político na TV:

Talvez seja a única oportunidade de ver políticos portugueses em "cadeia nacional".

8 – O maior castigo

"para quem não se interessa por política é que será governado pelos que se interessam."

9 - Os políticos
"são como as fraldas... Devem ser trocados com frequência, e sempre pelo mesmo motivo...

10 - Os líderes

"das últimas três décadas ou sucedem a si próprios ou então criam clones dos seus tiques."

11 - Os partidos
"
tomaram conta do Estado e puseram o Estado ao seu serviço."

12 - A frase do dia é de Alberto João Jardim:
- O que penso sobre o aborto?!...

- Considero-o um péssimo Primeiro-ministro e está a governar muito mal o País.

13 - Notícia de última hora!!!

- “Fiscais da ASAE, (brigada de inspecção da higiene alimentar), acabam de encerrar a Assembleia da República.“
Motivo: Comiam todos no mesmo tacho!

14 – Bom para Portugal!!!!!

"Sou totalmente a favor do casamento gay entre os políticos.

Tudo que possa contribuir para que eles não se reproduzam é bom para o país..."

15 - Candidatos:

"Antigamente os cartazes nas ruas, com rostos de criminosos, ofereciam recompensas;
hoje em dia, pedem votos".

16 - País desenvolvido:

"não é onde o pobre tem carro, é onde os políticos usam transporte público".

17 - Austeridade é quando

"o Estado nos tira dinheiro para pagar as suas contas até deixarmos de ter dinheiro para pagar as nossas".

18 - O governo esclare:

"Os cortes aos reformados só se aplicam a quem tiver 2 pensões. Quem tiver 2 hotéis ou 2 residenciais está safo".

19 - A força do Fisco:

"O estado arranca-me tudo à força e depois diz que sou contribuinte".

20 - País desenvolvido

não é onde o pobre tem carro, é onde os políticos, usam transporte público.

21 - Austeridade é quando

o Estado nos tira dinheiro para pagar as suas contas até nós deixarmos de ter dinheiro para pagar as nossas.

===================================================

05
Jan 15
Um interessante repasse que recebi...
 
Li, incrédulo, como a maioria das pessoas decentes em Portugal, que a Autoridade Tributária não tem registo de qualquer bem colectável em nome de Ricardo Espírito Santo Salgado, até à semana passada o Dono Disto Tudo.
 
O pipi da foto é o Secretário de Estado das Finanças que tutela uma entidade de mau agoiro chamada Autoridade Tributária (AT para os inimigos e gente comum).
 
Ora a AT, sob a superior direcção política deste vendedor de imóveis de seu nome Núncio, mas podia ser Pôncio, ou Alfredo, que faz rifas a quem declara a compra de umas peúgas e quer saber quanto quartos alugou uma senhora Cármen Coração de Banana da Nazaré, ou quantos dióspiros foram transportados na furgoneta do senhor Manuel de Vila Real, nunca se incomodou em saber se o senhor Ricardo Espírito Santo tem uma casinha no Estoril, ou um carrinho ou um barquinho... ou um Bentley, ou um helicóptero Augusta, ou um jacto privado... para este papalvo (um tratamento simpático para um cúmplice de ratonices) nunca a vida do Senhor Ricardo Espírito Santo e, presumo a do senhor Amorim, ou do senhor do Pingo Doce, e de tantos outros mereceu uma simples dúvida...
 
Isto é, os Donos de Tudo Isto, afinal não têm nada em seu nome... nem uma casinha para morar... e não pagam renda... a tudo o Núncio, mais o bando a que pertence, fechou os olhos...
O ano passado, lembro-me, o Correio da Manhã perguntou se Passos Coelho, um pateta com um Clio, tinha passado recibo do apartemant (rooms e chambres) que tinha alugado na Manta Rota.
 
Ainda há dias o mesmo Correio da Manhã perguntava para gáudio dos justiceiros se Sócrates tinha pago a renda da casa em Paris...
 
Que diabo, ninguém se lembrou de perguntar se o Dono Disto Tudo tinha uma casita alugada na Comporta, um carrito em leasing ou ao dia na Avis... se come fiado na mercearia... Nada....
 
É que, tendo eu um carrito com 12 anos (de 2002), um apartamento com 40 (comprado em 1975) corro o risco da AT com o dito Núncio me candidatar a um lugar na Forbes... .
----------------------------------- 
Carlos Matos Gomes 
  
AUTORIDADE TRIBUTÁRIA ( AT )
 
É ESTE O GAJO ... fdp
 

politica-secr.est.financas.jpg

publicado por LauraBM às 22:53

27
Dez 14

idosa.jpg

(também vou ser criminosa quando for grande…)

'Maria Isabel tem 83 anos e é uma criminosa. O local do crime é o fogão, e assim foi durante muitos anos: vende bol...o de laranja no café da zona. Sem recibo. E ainda consegue ir mais longe: usa os ovos das suas próprias galinhas. Juntamente com a filha, formam uma organização criminal. Eusébia, com 58 anos, produz uma pequena quantidade de queijo de cabra na sua própria cozinha que vende aos vizinhos a 1 euro a unidade. Um dos vizinhos, José Manuel, utiliza o antigo forno de barro que tem no quintal para cozer pão, faz uma quantidade a mais do que a que ele e a sua mulher necessitam para vender aos amigos, tentando assim complementar a pensão da reforma que recebe. Alguns dos habitantes mais idosos da aldeia apanham cogumelos e vendem-nos ao comprador intermediário. Novamente, sem passar recibo. Por sua vez, este intermediário distribui-os em restaurantes, passa recibo mas fá-lo pelo dobro do preço que pagou por eles. Marta, proprietária do café da zona, encomendou alface ao fornecedor mas acrescentou umas ervas e folhas de alface do seu próprio quintal. E se pedíssemos uma aguardente de medronho, típica da zona, quando a garrafa oficial, selada com o imposto fiscal, estiver vazia, o seu marido iria calmamente até à garagem e voltava a encher a garrafa com o medronho caseiro do velho Tomás. Podemos chamar a isto tradição, qualidade de vida ou colorido local – o certo é que em tempos de crise, a auto-suficiência entre vizinhos, simplesmente ajuda a sobreviver.

O Alentejo é das regiões mais afetadas pela crise que de qualquer forma afectou todo o país. A agricultura tradicional está em baixo, a indústria é quase inexistente e os turistas raramente se deixam levar pela espectacular paisagem costeira da província. Os montes alentejanos perdem-se em ruínas. Quem pode vai embora, ficando apenas a população idosa a viver nas aldeias, e para a maior parte, o baixo valor que recebem de reforma é gasto em medicamentos, logo na primeira semana do mês. Inicialmente, as pessoas fazem o que sempre fizeram para tentar sobreviver de algum modo. Vendem, a pessoas que conhecem, o que eles próprios conseguem produzir. Não conseguem suportar os custos de recibos ou facturas. Para conseguir iniciar um negócio com licença, teriam de cumprir os requisitos e fazer grandes investimentos que só compensariam num negócio de maior produção.

Ao contrário de Espanha, Portugal não negociou acordos especiais para quem tem pequenos negócios. As consequências: toda a produção em pequena escala - cafés, restaurantes , lojas e padarias que tornam este país atractivo - é de facto ilegal. Só existem duas hipóteses, ou legalizam o seu comércio tornando-se grandes produtores ou continuam como fugitivos ao fisco. Até agora e de certa forma, isto era aceitável em Portugal mas neste momento, parece que o governo descobriu os verdadeiros culpados da crise: o homem modesto e a mulher modesta como pecadores em matéria de impostos. Como resultado, as autoridades fecharam uma série de casas comerciais e mercados onde dantes eram escoadas os excedentes das parcas produções dos pequenos produtores e transformadores, que ganhavam algum dinheiro com isso, equilibrando a economia local.

Há uns meses atrás, a administração fiscal decidiu finalmente fazer algo em relação ao nível de desemprego: empregou 1.000 novos fiscais. Como um duro golpe para a fraude fiscal organizada, a autoridade autuou recentemente uma prática comum na pequena Aldeia das Amoreiras: alguns homens tinham - como o fizeram durante décadas - produzido e vendido carvão. Os criminosos têm em média 70 anos, e os modestos rendimentos do carvão mal lhes permitia ir mais do que poucas vezes beber um medronho ou pedir uma bica.

Não é benéfico acabar com os produtos locais e substituí-los por produtos industriais. Não para o Estado que, com uma população empobrecida, não tem capacidade para pagar impostos. E não é para a saúde: não são os produtos caseiros que levam a escândalos alimentares nestes últimos anos, mas a contaminação química e microbiana da produção industrial. Apenas grandes indústrias beneficiam desta política, uma política que chega mesmo a apoiar a crise. Sendo este um país que se submete cada vez mais a depender de importações, um dia não terá como se aguentar economicamente. É a realidade, até parece que a globalização venceu: os terrenos abandonados do Alentejo foram maioritariamente arrendados a indústrias agrícolas internacionais, que usam estes terrenos para o cultivo de olival intensivo e para a produção de hortícolas em estufas. Após alguns anos, os solos ficam demasiado contaminados. Em geral, os novos trabalhadores rurais temporários vêm da Tailândia, Bulgária ou Ucrânia, trabalham por pouco tempo e voltam para as suas casas antes das doenças se tornarem visíveis.

Com a pressão da Troika, o governo está a actuar contra os interesses do próprio povo. Apenas há umas semanas atrás, o Município de Lisboa mandou destruir mais uma horta comunitária num bairro carismático da cidade, a "Horta do Monte" na Graça, onde residentes produziam legumes com sucesso, contando com a ajuda da vizinhança. Enquanto os moradores do bairro protestavam, funcionários municipais arrancaram árvores pela raiz e canteiros de flores, simplesmente para que os terrenos possam ser alugados em vez de cedidos. Mais uma vez, uma parte da auto-organização foi destruída pela crise. A maioria dos portugueses não aceita isto. No último ano e por várias vezes, cerca de 1 milhão de pessoas - o equivalente a 10% da população - protestou contra a Troika. Muitos demonstram a sua criatividade e determinação durante a desobediência civil: quando saiu a lei que os clientes eram obrigados a solicitar factura nos restaurantes e cafés, em vez de darem o seu número de contribuinte, 10 mil pessoas deram o número do Primeiro Ministro. Rapidamente isto deixou de ser obrigatório. Também há alguns presidentes de freguesias que não aceitam o que foi feito aos seus mercados. E assim os pequenos mercados locais de aldeia continuam mas com um nome diferente “Mostra de produtos locais”, “Mercado de Trocas”. Se alguém quer dar alguma coisa e de seguida alguém põe dinheiro na caixa dos donativos, bem... quem irá impedi-lo?!

Existe um ditado fascinante: “quando a lei é injusta, a resistência é um dever”. É este o caso. Não são os pequenos produtores que estão errados mas sim as autoridades e quem toma as decisões - tanto moral como estrategicamente. É moralmente injustificável negar a sobrevivência diária dos idosos nas aldeias. E estrategicamente é estúpido. Um tesouro raro é destruído: uma região que ainda tem conhecimentos e métodos tradicionais, e comunidades com coesão social suficiente para partilhar e para se ajudarem entre si.

Uma economia difundida globalmente e à prova da crise é o que aqui acaba por ser criminalizado: subsistência rural e regional - o poder de auto-organização de pessoas que se ajudam mutuamente, que tentam sustentar-se com o que cresce à sua volta. Ao enfrentar a crise, não existem razões para não avançarmos juntos e nos reunirmos novamente. Existem sim, todos os motivos para nos ajudarmos mutuamente, para escolhermos a auto-suficiência e o espírito comunitário rural. Podemos ajudar a suavizar a crise, pelo menos por agora – se não, no mínimo oferecemos um elemento chave para a resolver. Quanto mais incertos são os sistemas de abastecimento da economia global, mais necessária é a subsistência regional.

Assim sendo, pedimos a todos os viajantes e conhecedores: peçam pratos caseiros e regionais nos restaurantes. Deixem que as omeletes sejam feitas por ovos que não foram carimbados nem selados. Peçam saladas das suas hortas. Mesmo em festas ou cerimónias, escolham os produtos de fabrico próprio, caseiros. Ao entrar numa loja ou café, anunciem de imediato que não vão pedir recibos ou facturas. Talvez em breve, os proprietários dos restaurantes se juntem a uma mudança local. Talvez em breve, um funcionário de uma loja será o primeiro a aperceber-se que a caixa de donativos na entrada traz mais lucro do que o registo obrigatório das vendas recentemente imposto. Talvez em breve, apareçam as primeiras moedas regionais como um método de contornar as leis fiscais.'

fonte desconhecida

publicado por LauraBM às 23:23

09
Jan 14

Telefonar para números começados por 707 custa uma fortuna, principalmente se for de um telemóvel.

 

Recuse ligar para números 707

Estes números (chamados únicos pela PT) não são considerados números pertencentes à rede fixa (!) pelo que são sempre pagos. Mesmo aqueles que estão a pagar uma mensalidade com a promessa de terem chamadas grátis, terão sempre que pagar (e muito!) estas chamadas.

 

A Autoridade Nacional de Comunicações tem recebido um volume considerável de denúncias e reclamações de consumidores relativas ao uso indevido destes números.

Como se não bastasse o já de si elevado custo dos 707, em algumas das situações fiscalizadas pela Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) foi detectada a utilização dos prefixos 707 para a prestação de serviços de audiotexto – aumentando assim exponencialmente o custo das chamadas - tendo por isso sido instaurados processos contra-ordenacionais.

Por outro lado, muitas vezes surgem os 707 acompanhados de designação de “chamada local” ou “número azul” - o que é falso, pois estas chamadas são as de prefixo 808 – confundindo assim quem faz a chamada e levando a pensar tratar-se de números de baixo custo.

 

Burla já detectada pela Anacom

Os números de telefone começados por 707, para além de apresentarem um elevadíssimo custo para quem faz a chamada, raramente são acompanhados do seu custo por minuto (por que será?).

Quanto custa ligar para estes números?

Só quando se recebe a factura ou o saldo do telemóvel termina se poderá ter a percepção do

roubo de que fomos alvo.

(Veja alguns exemplos em rodapé)

 

TELEFONES - PREFIXOS 707

Telefonar do telemóvel para um 707 custa, pelo menos, três vezes mais que do fixo

Recuse ligar para números 707

Como se pode verificar, estes números pelo seu elevadíssimo custo são uma fantástica invenção da PT (e outros operadores) por forma a obrigar o consumidor a pagar verdadeiras fortunas por um simples telefonema. Agora quando ligar para um 707 e lhe derem música do lado de lá, já sabe que a musiquinha lhe ficará bastante cara.

Informe os seus amigos/colegas/familiares

 

Mais grave ainda é muitos números de telefone oficiais estarem a mudar para 707.

Porque será que nos querem obrigar a gastar fortunas com os telefones?

É o caso do telefone da DGCI,   das «novas oportunidades» do MTSS (o tal programa do Governo que transforma semi-analfabetos em proprietários do 12.º ano de escolaridade), da EPUL,

do número de apoio da Secretaria de Estado das Comunidades

Linha de Atendimento Telefónico Permanente (24 horas) 707202000, etc. etc.

 

É um escândalo! Será que ninguém proíbe este atentado aos nossos bolsos?

 

Quem encomenda roupa, bilhetes para o cinema, etc. etc, ligando para um 707 acaba por pagar mais pelo telefonema que pelo bem que pretende comprar. Curioso não??

La Redoute - ligue p/uma assistente - 707201010

 

Governo obriga cidadãos a gastar fortunas em telefonemas.

707206707 – CAT DGCI – Centro de Atendimento telefónico

 

Companhias de seguros também aderem à triste “moda”.

Quando se circula de automóvel e se tem um acidente, o natural será ligar para a seguradora através do telemóvel. E qual o prefixo da maior parte dos números de assistência disponibilizados pelas seguradoras? 707 é claro!

ZAP 24 horas – Assistência permanente – 707200160

 

Por que nos obrigam a gastar fortunas em telefonemas?

Será que recebem uma percentagem dos elevados custos pagos pelos desafortunados que necessitam de apoio?

 

Para saber mais - Consultar site da Anacom: www.anacom.pt

Informe os seus amigos/colegas/familiares.

Risque estes números malditos!!!!!!!

publicado por LauraBM às 16:50

10
Abr 13

António Costa , ex-ministro, presidente da câmara de lisboa e nº 2 do PS , na televisão - programa " Quadratura do Circulo ".

Os outros intervenientes, Pacheco Pereira e Lobo Xavier, nem abriram a boca e o moderador também não.

 
transcrição de frases :
(...) A situação a que chegámos não foi uma situação do acaso. A União Europeia financiou durante muitos anos Portugal para Portugal deixar de produzir; não foi só nas pescas, não foi só na agricultura, foi também na indústria, por ex. no têxtil. Nós fomos financiados para desmantelar o têxtil porque a Alemanha queria (a Alemanha e os outros países como a Alemanha) queriam que abríssemos os nossos mercados ao têxtil chinês basicamente porque ao abrir os mercados ao têxtil chinês eles exportavam os teares que produziam, para os chineses produzirem o têxtil que nós deixávamos de produzir.
 
E portanto, esta ideia de que em Portugal houve aqui um conjunto de pessoas que resolveram viver dos subsídios e de não trabalhar e que viveram acima das suas possibilidades é uma mentira inaceitável.
 
 
Nós orientamos os nossos investimentos públicos e privados em função das opções da União Europeia: em função dos fundos comunitários, em função dos subsídios que foram dados e em função do crédito que foi proporcionado. E portanto, houve um comportamento racional dos agentes económicos em função de uma política induzida pela União Europeia. Portanto não é aceitável agora dizer, podemos todos concluir e acho que devemos concluir que erramos, agora eu não aceito que esse erro seja um erro unilateral dos portugueses. Não, esse foi um erro do conjunto da União Europeia e a União Europeia fez essa opção porque a União Europeia entendeu que era altura de acabar com a sua própria indústria e ser simplesmente uma praça financeira. E é isso que estamos a pagar!
 
A ideia de que os portugueses são responsáveis pela crise, porque andaram a viver acima das suas possibilidades, é um enorme embuste. Esta mentira só é ultrapassada por uma outra. A de que não há alternativa à austeridade, apresentada como um castigo justo, face a hábitos de consumo exagerados. Colossais fraudes. Nem os portugueses merecem castigo, nem a austeridade é inevitável.
 
Quem viveu muito acima das suas possibilidades nas últimas décadas foi a classe política e os muitos que se alimentaram da enorme manjedoura que é o orçamento do estado. A administração central e local enxameou-se de milhares de "boys", criaram-se institutos inúteis, fundações fraudulentas e empresas municipais fantasma. A este regabofe juntou-se uma epidemia fatal que é a corrupção. Os exemplos sucederam-se. A Expo 98 transformou uma zona degradada numa nova cidade, gerou mais-valias urbanísticas milionárias, mas no final deu prejuízo. Foi ainda o Euro 2004, e a compra dos submarinos, com pagamento de luvas e corrupção provada, mas só na Alemanha. E foram as vigarices de Isaltino Morais, que nunca mais é preso. A que se juntam os casos de Duarte Lima, do BPN e do BPP, as parcerias público - privadas e mais um rol interminável de crimes que depauperaram o erário público. Todos estes negócios e privilégios concedidos a um polvo que, com os seus tentáculos, se alimenta do dinheiro do povo têm responsáveis conhecidos. E têm como consequência os sacrifícios por que hoje passamos.
 
Enquanto isto, os portugueses têm vivido muito abaixo do nível médio do europeu, não acima das suas possibilidades. Não devemos pois, enquanto povo, ter remorsos pelo estado das contas públicas. Devemos antes exigir a eliminação dos privilégios que nos arruínam. Há que renegociar as parcerias público - privadas, rever os juros da dívida pública, extinguir organismos... Restaure-se um mínimo de seriedade e poupar-se-ão milhões. Sem penalizar os cidadãos.
 
Não é, assim, culpando e castigando o povo pelos erros da sua classe política que se resolve a crise. Resolve-se combatendo as suas causas, o regabofe e a corrupção. Esta sim, é a única alternativa séria à austeridade a que nos querem condenar e ao assalto fiscal que se anuncia." 
publicado por LauraBM às 21:44

24
Jun 12

São Rosas, Senhor....

 

Sei lá se é verdade mas, fartos de sermos espoliados, a gente já repassa tudo que aparece.
Tanto que Sócrates roubou e sonegou nos impostos, com a complacência de todos à sua volta (tudo a comer do mesmo racho), quem se admira que a família também tenha lucrado de grande? Só se fossem parvos, não? Era tudo à fartazana!!!!!!! E agora... A gente que se lixe!!!!!
Depois do ladrãozeco, apanhamos com o béu-béu da Merkel. Irra, estamos fartos!!!!!!!!!!!!!!
Laura B. Martins

O milagre da Dona Adelaide... mãe do Santo Sócrates! São Rosas, Senhor....
Será que isto é mesmo verdade??????
PARA REFLECTIR
            
A Mamã do ex-Primeiro-Ministro - MILAGRE ????
Do que está à espera o Ministério Público para mandar fazer uma auditoria à referida Pensâo ?

A mamã  Adelaide e a misteriosa pensão superior  a 3000 euros

Divorciada nos anos 60 de Fernando Pinto de Sousa,  "viveu modestamente em Cascais como empregada doméstica, tricotando botinhas e cachecóis...".
Admitamos que, na sequência do  divórcio ficou com o chalet (r/c e 1º andar) .
Admitamos  ainda, que em 1998, altura em que comprou o apartamento na Rua Braamcamp,  o fez com o produto da venda da vivenda referida, feita nesse mesmo ano.

Neste mesmo ano, declarou às Finanças um  rendimento anual inferior a 250 €.(CM), o que pressupõe não ter qualquer  pensão de valor superior, nem da Segurança Social nem da CGA.
Entretanto  morre o pai (Júlio Araújo Monteiro) que lhe deixa "uma pequena fortuna, de  cujos rendimentos em parte vive hoje".

Porque neste  momento, aufere do Instituto Financeiro da Segurança Social (organismo  público que faz a gestão do orçamento da Segurança Social) uma pensão  superior a 3.000 € (CM), seria lícito deduzir - caso não tivesse tido  outro emprego a partir dos 65 anos - que , considerando a idade normal  para a pensão de 65 anos, a mesma lhe teria sido concedida em 1996 (1931+  65). Só que, por que em 1998 a dita pensão não consta dos seus  rendimentos, forçoso será considerar que a partir desse mesmo ano, 1998  desempenhou um lugar que lhe acabou por garantir uma pensão de (vamos por  baixo): 3.000 €.

Abstraindo a aplicação da esdrúxula forma de  cálculo actual, a pensão teria sido calculada sobre os 10 melhores anos de 15 anos de contribuições, com um valor de 2% /ano e uma taxa global de  pensão de 80%.

Porque a "pequena fortuna" não conta para a  pensão; por que o I.F.S.S. não funciona como entidade bancária que, paga  dividendos face a investimentos ali feitos (depósitos); porque em 1998 o  seu rendimento foi de 250 €; para poder usufruir em 2008 uma pensão de  3.000 €, será porque (ainda que considerando que já descontava para a  Segurança Social como empregada doméstica e perfez os 15 anos para poder  ter direito a pensão), durante o período (pós 1998), nos ditos melhores 10  anos, a remuneração mensal foi tal, que deu uma média de 3.750 €/mês para  efeitos do cálculo da pensão final. (3.750 x 80% = 3.000).

Ora, como uma  pensão de 3.000 €, não se identifica com os "rendimentos" provenientes da  pequena fortuna do pai, a senhora tem uma pensão acrescida de outros  rendimentos.
Como em nenhum dos jornais se fala em habilitações  que a senhora tenha adquirido, que lhe permitisse ultrapassar o tal  serviço doméstico remunerado, parece poder depreender-se que as  habilitações que tinha nos anos 60 eram as mesmas que tinha quando ocupou o tal lugar que lhe rendeu os ditos 3.750 €/mês.
Pode-se saber  qual foram as funções desempenhadas que lhe permitiram poder receber tal pensão?

E há mais...
A Dona Adelaide comprou um  apartamento na Rua Braamcamp, em Lisboa, a uma sociedade off-shore com  sede nas Ilhas Virgens Britânicas, apurou o Correio da Manhã. Em Novembro  de 1998, nove meses depois de José Sócrates se ter mudado para o terceiro  andar do prédio Heron Castilho, a mãe do primeiro-ministro adquiria o  quarto piso,  letra E, com um valor tributável de 44 923 000 escudos -  cerca de 224 mil euros -, sem recurso a qualquer empréstimo bancário e  auferindo um rendimento anual declarado nas Finanças que foi inferior a  250 euros (50 contos).
Ora vejam lá como a senhora deve ter sido  poupadinha durante toda a vida.
Com um rendimento anual de 50 contos, que nem dá  para comprar um mínimo de alimentação mensal, ainda conseguiu juntar  224.000 euros para comprar um apartamento de luxo, não em Oeiras ou  Almada, na Picheleira ou no Bairro Santos, mas no fabuloso edifício Heron,  no nº40, da rua Braamcamp, a escassos metros do Marquês de Pombal e numa  das mais nobres e caras zonas de Lisboa.
Notável exemplo de vida espartana que  permitiu juntar uns dinheiritos largos para comprar casa no inverno da  velhice.

Vocês lembram-se daquela ideia genial do Teixeira  dos Santos, que queria que pagássemos imposto se dessemos 500 euros aos  filhos ?
Quem  terá ajudado, com algum cacau, para que uma cidadã, que declarou às  Finanças um RENDIMENTO ANUAL de 50 contos, pudesse pagar A PRONTO, a  uma sociedade OFFSHORE, os tais 224.000 euros?
         
A VERDADE  DEVIA SER APURADA !!!!!
SÓ ESTA GENTE NÃO  É  FISCALIZADA....     

publicado por LauraBM às 23:43

07
Jun 12

A globalização do pescado...

 

(Da crónica de João Quadros no “Negócio On-Line”)

 

"Os dados mais recentes do Instituto Nacional de Estatística (INE) demonstram que o Pingo Doce (da Jerónimo Martins) e o Modelo Continente (do grupo Sonae) estão entre os maiores importadores portugueses."
Porque é que estes dados não me causam admiração? Talvez porque, esta semana, tive a oportunidade de verificar que a zona de frescos dos supermercados parece uns jogos sem fronteiras de pescado e marisco.
Uma ONU do ultra-congelado.

 

Eu explico:
Por alto, vi: camarão do Equador, burrié da Irlanda, perca egípcia, sapateira de Madagáscar, polvo marroquino, berbigão das Fidji, abrótea do Haiti... Uma pessoa chega a sentir vergonha por haver marisco mais viajado que nós.

Eu não tenho vontade de comer uma abrótea que veio do Haiti ou um berbigão que veio das exóticas Fidji.

Para mim, tudo o que fica a mais de 2.000 quilómetros de casa é exótico.

Eu sou curioso, tenho vontade de falar com o berbigão, tenho curiosidade de saber como é que é o país dele, se a água é quente, se tem irmãs, etc.

 

Vamos lá ver:
Uma pessoa vai ao supermercado comprar duas cabeças de pescada, não tem de sentir que não conhece o mundo.
Não é saudável ter inveja de uma gamba.

Uma dona de casa vai fazer compras e fica a chorar junto do linguado de Cuba, porque se lembra que foi tão feliz na lua-de-mel em Havana e agora já nem a Badajoz vai. Não se faz.

E é desagradável constatar que o tamboril (da Escócia) fez mais quilómetros para ali chegar que os que vamos fazer durante todo o ano.

Há quem acabe por levar peixe-espada do Quénia só para ter alguém interessante e viajado lá em casa.

Eu vi perca egípcia em Telheiras... fica estranho. Perca egípcia soa a Hercule Poirot e Morte no Nilo.

A minha mãe olha para uma perca egípcia, esquece que está num supermercado, imagina-se no Museu do Cairo e esquece-se das compras. Fica ali a sonhar, no gelo, capaz de se constipar.

 

Deixei para o fim o polvo marroquino. É complicado pedir polvo marroquino, assim às claras. Eu não consigo perguntar: "tem polvo marroquino?", sem olhar à volta a ver se vem lá polícia. "Queria quinhentos gramas de polvo marroquino" - tem de ser dito em voz mais baixa e rouca.

 

Acabei por optar por robalo de Chernobyl para o almoço. Não há nada como umas coxinhas de robalo de Chernobyl.

 

Eu, às vezes penso: o que não poupávamos se Portugal tivesse mar.
=======================================================================================

publicado por LauraBM às 23:32

27
Jan 12
O porquê de nos acabarem com alguns feriados:
 
25 de Dezembro – NATAL - se cortam os subsídios de Natal, como vamos festejar?
1º de Maio – DIA DO TRABALHADOR – se diáriamente fecham empresas, e o desemprego aumenta, festeje-se o Dia do Desempregado!
10 de Junho – DIA DE PORTUGAL – se quem manda aqui é a Troika, para quê festejá-lo?
1 de Novembro – DIA DE FINADOS - ALTO! Esse... acho que não vão tirá-lo porque é exactamente naquilo em que nos querem transformar!!!
 
Falta cortarem-nos as férias porque sem o subsídio já era difícil, quanto mais sem ele. Ainda ninguém pensou nisso?
Viva a canção do Zeca Afonso: «Eles comem tudo e não deixam nada» – nem a nossa esperança em dias melhores, apesar das promessas!
Os impostos estão a sufocar a classe média e a matar a classe pobre:
já não podemos gastar electricidade, nem recorrer aos serviços de saúde, nem há o suficiente para as despesas essenciais.
Os portugueses já não têm dinheiro nem para andar de tanga e ainda nos cortam o direito ao descanso dum feriado!!!!!!!!
publicado por LauraBM às 23:33

25
Jun 11
NÃO VALE A PENA PENSAR MUITO
PORQUE ISTO NÃO VOLTA A ACONTECER
Era oriundo de famílias aristocráticas e descendente de flamengos.
O pai deixou de lhe pagar os estudos e deserdou-o.
Trabalhou, dando lições de inglês para poder continuar o curso.
Formou-se em Direito.
Foi advogado, professor, escritor, político e deputado.
Foi também vereador da Câmara Municipal de Lisboa.
Foi reitor da Universidade de Coimbra.
Foi Procurador-Geral da República.
Passou cinquenta anos da sua vida a defender de uma sociedade mais justa.
Com 71 anos foi eleito Presidente da República.
Disse na tomada de posse: "Estou aqui para servir o país. Seria incapaz de alguma vez me servir dele..."
Recusou viver no Palácio de Belém, tendo escolhido uma modesta casa anexa a este.
Pagou a renda da residência oficial e todo mobiliário do seu bolso.
Recusou ajudas de custo, prescindiu do dinheiro para transportes, não quis secretário, nem protocolo e nem sequer Conselho de Estado.
Foi aconselhado a comprar um automóvel para as deslocações, mas fez questão de o pagar também do seu bolso.
Este SENHOR era o Dr. Manuel de Arriaga e foi o primeiro Presidente da República Portuguesa.
--
Maria Antónia Santos
publicado por LauraBM às 18:55

10
Jun 11

FAÇAM O FAVOR DE PASSAR PARA TODA A GENTE SABER.
É de bradar aos céus!

Soube-se a dia 27 de Agosto, pelo Público, que a jovem e distinta advogada Vera Sampaio (terminou o curso com média de 10 val) com uma carreira de dezenas de anos e larga experiência' foi contratada como assessora pelo membro do Governo, Senhor Doutor Manuel Pedro Cunha da Silva Pereira, distinto Ministro da Presidência....

Como a tarefa não é muito cansativa foi autorizada a continuar a dar aulas numa qualquer
universidade privada onde ganha uns tostões para compor o salário e poder aspirar a ter uma vidinha um pouco mais desafogada.
O facto de ser filha do Senhor Ex-Presidente da República das Bananas que também dá pelo
nome de Portugal, não teve nada a ver com este reconhecimento das suas capacidades. Nada!

Juro pela saúde do Sr. Engenheiro Sócrates.

Há famílias a quem a mão do Senhor toca com a sua graça. Ámen.
Já agora, como se devem recordar, ainda relativamente a esta família,soube-se há tempos que
o filhote, depois de se ter formado, foi logo para consultor da Portugal Telecom, onde certamente porá 'toda a sua experiência ao serviço de todos nós.

Agora, como já ontem se disse, calhou a sorte à maninha e lá vai ela toda lampeira em part-time
para o desgoverno, onde certamente porá também toda a sua experiência ao serviço de todos nós.

O papá para não fugir à regra, depois de escavacar uns bons centos de milhares de euros nossos
na remodelação do um palacete ali para os lados da Ajuda, onde instalará um gabinete, vai ser transportado pelo nosso carro, com o nosso motorista e onde certamente, para não fugir ao lema familiar, porá, de novo, toda a sua experiência ao serviço de todos nós.
Agora,
foi nomeado Administrador da Gulbenkian...

Tudo isto, por mero acaso, se passa num sítio mal frequentado que se chama PORTUGAL, onde
um milhão e duzentas mil pessoas vivem com uma reforma abaixo dos 375 Euros por mês.
Parece mentira, não parece ?

ESTE É MAIS UM CASO, ENTRE MUITOS, REVELADOS E DIVULGADOS ATRAVÉS DA INTERNET, PORQUE AS TELEVISÕES DESTE PAÍS, ESTÃO BEM CONTROLADAS POR  FORÇAS OCULTAS....

E VIVA A REPÚBLICA DOS TACHOS VIVA...VIVA...VIV..................AAA

publicado por LauraBM às 19:10

30
Mai 11

Gostaria de ver abordado com grande destaque na campanha eleitoral o tema que há dias lançou a CDU: o estrangular da produção nacional causada pelo oligopólio da distribuição constituído pela SONAE e pela JERÓNIMO MARTINS. Eles estão a pagar aos produtores, em particular agricultores, preços de produtos equivalentes aos que pagavam há 10 ou 15 anos. E vendem depois produtos vindos de Espanha e de Marrocos que fazem passar por portugueses. Os produtores nacionais estão nas mãos da SONAE e do PINGO DOCE. E estão a financiar estes predadores na esperança de poderem subsistir. Grande número deles já encerrou as portas, com grave dano para a produção e para o emprego. Isto ao mesmo tempo que recebem dos Estado apoios ao suposto apoio à produção nacional, que o Estado bem sabe não existir mas, ainda assim, paga.

Dou-lhes um exemplo do que faz a SONAE: em cada factura sacam 20% de rappel ( isto é, desconto por deterioração ou perda de produtos) e, nos impostos, descontam 30% para deteriorações e perdas. Quando abrem um supermercado, descontam uma percentagem na facturação que referem como sendo " reacção" (?!) ao shopping ( os produtores pagam a abertura) e outra percentagem para promoção.

Os agricultores nada podem fazer: se não forem eles ninguém lhes tira os produtos, pois a distribuição está nas mãos deles.

O poder nada faz, incluindo essa instituição lamentável e que só serve para pagar vencimentos chorudos, que é a AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA.

Tanto ou mais do que a TROIKA, estes predadores são a causa do grande drama nacional.

E ainda se dão ao luxo de publicitar que apoiam a produção nacional e são premiados por terem um comportamento ético ( como os prémios são fáceis de atribuir a quem tem dinheiro para os pagar!)!

Os partidos ( excepto agora, mas pouco, a CDU) nada dizem.

Seria bom que este tema, demasiado grave para ser ignorado, tivesse tratamento destacado na campanha eleitoral pela esquerda ( CDU e BE) pois o PS revela-se um partido de direita porque sabendo, cala, e PSD e CDS existem porque não passam de mandaretes desses e outros donos da riqueza nacional.

--------------------------------------

Segunda-feira, 30 de Maio de 2011

http://odisseus.blogs.sapo.pt/

publicado por LauraBM às 20:41

07
Mai 11
O PROCESSO chamado 'Face Oculta' tem as suas raízes longínquas num fenómeno que podemos designar por deslumbramento'.
Muitos dos envolvidos no caso, a começar por Armando Vara, são pessoas nascidas na Província que vieram para Lisboa, ascenderam a cargos políticos de relevo e se deslumbraram.
Deslumbraram-se, para começar, com o poder em si próprio. Com o facto de mandarem, com os cargos que podiam distribuir pelos amigos, com a subserviência de muitos subordinados, com as mordomias, com os carros pretos de luxo, com os chauffeurs, com os salões, com os novos conhecimentos. Deslumbraram-se, depois, com a cidade. Com a dimensão da cidade, com o luxo da cidade, com as luzes da cidade, com os divertimentos da cidade, com as mulheres da cidade.
ORA, para homens que até aí tinham vivido sempre na Província, que até aí tinham uma existência obscura, limitada, ligados às estruturas partidárias locais, este salto simultâneo para o poder político e para a cidade representou um cocktail explosivo. As suas vidas mudaram por completo. Para eles, tudo era novo - tudo era deslumbrante.
Era verdadeiramente um conto de fadas - só que aqui o príncipe encantado não era um jovem vestido de cetim mas o poder e aquilo que ele proporcionava.
Não é difícil perceber que quem viveu esse sonho se tenha deixado perturbar.
CURIOSAMENTE, várias pessoas ligadas a este processo 'Face Oculta' (e também ao 'caso Freeport') entraram na política pela mão de António Guterres, integrando os seus Governos.
- Armando Vara começou por ser secretário de Estado da Administração Interna,
- José Sócrates foi secretário de Estado do Ambiente,
- José Penedos foi secretário de Estado da Defesa e da Energia,
- Rui Gonçalves foi secretário de Estado do Ambiente.
Todos eles tiveram um percurso idêntico. E alguns, como Vara e Sócrates, pareciam irmãos siameses: Naturais de Trás-os-Montes, vieram para o poder em Lisboa, inscreveram-se na universidade, licenciaram-se, frequentaram mestrados.
Sentindo-se talvez estranhos na capital, procuraram o reconhecimento da instituição universitária como uma forma de afirmação pessoal e de legitimação do estatuto.
A QUESTÃO que agora se põe é a seguinte: por que razão estas pessoas apareceram todas na política ao mais alto nível pela mão de António Guterres?
A explicação pode estar na mudança de agulha que Guterres levou a cabo no Partido Socialista.
Guterres queria um PS menos ideológico, um PS mais pragmático, mais terra-a-terra.
Ora estes homens tinham essas qualidades: eram despachados, pragmáticos, activos, desenrascados.
E isso proporcionou-lhes uma ascensão constante nos meandros do poder.
Só que, a par dessas inegáveis qualidades, tinham também defeitos. Alguns eram atrevidos em excesso. E esse atrevimento foi potenciado pelo tal
deslumbramento da cidade e pela ascensão meteórica.
QUANDO o PS perdeu o poder, estes homens ficaram momentaneamente desocupados. Mas, quando o recuperaram, quiseram ocupá-lo a sério. Montaram uma rede para tomar o Estado.
José Sócrates ficou no topo, como primeiro-ministro, Armando Vara tornou-se o homem forte do banco do Estado - a CGD -, com ligação directa ao
primeiro-ministro, José Penedos tornou-se presidente da Rede Eléctrica Nacional, etc.
Ou seja, alguns secretários de Estado do tempo de Guterres, aqueles homens vindos da Província e deslumbrados com Lisboa, eram agora senhores do país.
MAS, para isso ser efectivo, perceberam que havia uma questão decisiva: o controlo da comunicação social. Obstinaram-se, assim, nessa cruzada.
- A RTP não constituía preocupação, pois sendo dependente do Governo nunca se portaria muito mal.
- Os privados acabaram por ser as primeiras vítimas.
- O Diário Económico, que estava fora de controlo e era consumido pelas elites, mudou de mãos e foi domesticado.
- O SOL foi objecto de chantagem e de uma tentativa de estrangulamento através do BCP (liderado em boa parte por Armando Vara).
- A TVI, depois de uma tentativa falhada de compra por parte da PT, foi objecto de uma 'OPA', que determinou a saída de José Eduardo Moniz e o
afastamento dos ecrãs de Manuela Moura Guedes.
- O director do Público foi atacado em público por Sócrates -
- e, apesar da tão propalada independência do patrão Belmiro de Azevedo, acabou por ser substituído.
- A Controlinvest, de Joaquim Oliveira (que detém o JN, o DN, o 24 Horas, a TSF) está financeiramente dependente do BCP, que por sua vez depende do Governo.
SUCEDE que, na sua ascensão política, social e económica, no seu deslumbramento, algumas destas pessoas de quem temos vindo a falar foram
deixando rabos-de-palha. É quase inevitável que assim aconteça.
O caso da Universidade Independente, o Freeport, agora o 'Face Oculta', são exemplos disso - e exemplos importantes da rede de interesses que foi sendo montada para preservar o poder, obter financiamentos partidários e promover a ascensão social e o enriquecimento de alguns dos seus membros.
É isso que agora a Justiça está a tentar desmontar: essa rede de interesses criada por esse grupo em que se incluem vários "boys" de Guterres.
Consegui-lo-á?
Não deixa de ser triste, entretanto, ver como está a acabar esta história para alguns senhores que um dia se deslumbraram com a grande cidade.
Esta é a forma mais eloquente de definir um parolo provinciano com tiques de malandro, mas sempre de mão estendida, pior que os arrumadores que uma vez na vida se revelam minimamente úteis independentemente do ar miserável como se apresentam e se comportam quando não se lhes dá a famigerada moedinha.
Que rico texto para ser reencaminhado a Portugal inteiro.
A menos que toque a alguns que estão a comer do mesmo prato pago por nós,
mas não vai ser por muito mais tempo. Não vai, não!
------------
7/05/2011
José Saraiva
publicado por LauraBM às 21:28

13
Jun 10

- Imaginem que todos os gestores públicos das setenta e sete empresas do Estado decidiam voluntariamente baixar os seus vencimentos e prémios em dez por cento.

- Imaginem que decidiam fazer isso independentemente dos resultados. Se os resultados fossem bons as reduções contribuíam para a produtividade. Se fossem maus ajudavam em muito na recuperação.

- Imaginem que os gestores públicos optavam por carros dez por cento mais baratos e que reduziam as suas dotações de combustível em dez por cento. Imaginem que as suas despesas de representação diminuíam dez por cento também. Que retiravam dez por cento ao que debitam regularmente nos cartões de crédito das empresas.

- Imaginem ainda que os carros pagos pelo Estado para funções do Estado tinham ESTADO escrito na porta.

- Imaginem que só eram usados em funções do Estado.

- Imaginem que dispensavam dez por cento dos assessores e consultores e passavam a utilizar a prata da Casa para o serviço público. - Imaginem que gastavam dez por cento menos em pacotes de rescisão para quem trabalha e não se quer reformar.

- Imaginem que os gestores públicos do passado, que são os pensionistas milionários do presente, se inspiravam nisto e aceitavam uma redução de dez por cento nas suas pensões. Em todas as suas pensões. Else acumulam várias. Não era nada de muito dramático. Ainda ficavam, todos, muito acima dos mil contos por mês.

- Imaginem que o faziam, por ética ou por vergonha. Imaginem que o faziam por consciência.

- Imaginem o efeito que isto teria no défice das contas públicas.

- Imaginem os postos de trabalho que se mantinham e os que se criavam.

- Imaginem os lugares a aumentar nas faculdades, nas escolas, nas creches e nos lares.

- Imaginem este dinheiro a ser usado em tribunais para reduzir dez por cento o tempo de espera por uma sentença. Ou no posto de saúde para esperarmos menos dez por cento do tempo por uma consulta ou por uma operação às cataratas.

- Imaginem remédios dez por cento mais baratos. Imaginem dentistas incluídos no serviço nacional de saúde.

- Imaginem a segurança que os municípios podiam comprar com esses dinheiros.

- Imaginem uma Polícia dez por cento mais bem paga, dez por cento mais bem equipada e mais motivada.

- Imaginem as pensões que se podiam actualizar.

- Imaginem todo esse dinheiro bem gerido.

- Imaginem IRC, IRS e IVA a descerem dez por cento também e a economia a soltar-se à velocidade de mais dez por cento em fábricas, lojas, ateliers, teatros, cinemas, estúdios, cafés, restaurantes e jardins.

- Imaginem que o inédito acto de gestão de Fernando Pinto, da TAP, de baixar dez por cento as remunerações do seu Conselho de Administração nesta altura de crise na TAP, no país e no Mundo é seguido pelas outras setenta e sete empresas públicas em Portugal.

- Imaginem que a histórica decisão de Fernando Pinto de reduzir em dez por cento os prémios de gestão, independentemente dos resultados serem bons ou maus, é seguida pelas outras empresas públicas.

- Imaginem que é seguida por aquelas que distribuem prémios quando dão prejuízo.

- Imaginem que país podíamos ser se o fizéssemos.

- Imaginem que país seremos se não o fizermos.

-----------

16/10/2008

publicado por LauraBM às 00:27

15
Jun 09

Amigos mandaram-me isto e vou reencaminhar pois não tenho sugestões a não ser pensar muito bem antes de votar
Estava há dias a falar com um amigo meu Nova-iorquino que conhece bem Portugal, o Eddie Cox,  que alguns de vós conheceram da última vez que cá esteve num barbecue em minha casa…
Dizia-lhe eu à boa maneira portuguesa de “coitadinhos” : - Sabes Eddie, nós os portugueses somos pobres....
Esta a sua resposta:
- Joe, como podes tu dizer que são pobres, quando ssão capazes de pagar por um litro de gasolina, mais do triplo do que pago eu?
- Quando se dão ao luxo de pagar tarifas de electricidade e de telemóvel 80 % mais caras do que nos custam a nós nos EUA?
- Como podes tu dizer que são pobres quando pagam comissões bancárias por serviços bancários e cartas de crédito ao triplo que nos custam nos EUA?
- Ou quando podem pagar por um carro que a mim me custa 12.000 US dólares e vocês pagam mais de 20.000 EUROS, pelo mesmo carro e dar mais de 8.000 EUROS de presente ao vosso governo e nós não.
Joe, francamente não te entendo!

Nós é que somos pobres: por exemplo em New York o Governo Estatal, tendo em conta a precária situação financeira dos seus habitantes cobra somente 2 % de IVA, mais 4% que é o imposto Federal, isto é 6%, nada comparado com os 20% dos ricos que vivem em Portugal.
E não contentes com estes 20%,  vocês pagam ainda impostos municipais.
Além disso, são vocês que têm “impostos de luxo” como são os impostos na gasolina e gás, álcool, cigarros, cerveja, vinhos etc, que fazem com que esses produtos cheguem em certos casos até mais de 300 % do valor original, e outros como imposto sobre a renda, impostos nos salários, impostos sobre automóveis novos, sobre bens pessoais, sobre bens das empresas e de circulação automóvel.
Um Banco privado vai à falência e vocês que não têm nada com isso pagam outro, uma espécie de casino, o vosso Banco Privado quebra, e vocês protegem-no com o dinheiro que enviam para o Estado.
E vocês pagam ao vosso Governador do Banco de Portugal, um vencimento anual que é quase 3 vezes mais que o do Governador do Banco Federal dos EUA...
São pobres onde Joe?

Um país que é capaz de cobrar o Imposto sobre Ganhos por adiantado e Bens pessoais mediante retenções, necessariamente tem de nadar na abundância, porque considera que os negócios da nação e de todos os seus habitantes sempre terão ganhos apesar dos assaltos, do saque fiscal, da corrupção dos seus governantes e autarcas.
Um país capaz de pagar salários irreais aos seus funcionários de estado e de Empresas
ligadas ao Estado.
Deixa-te de merdas Joe, são pobres onde?

Os pobres somos nós, os que vivemos nos USA e que não pagamos impostos sobre a renda se ganhamos menos de 3.000 dólares ao mês por pessoa, isto é mais ou menos os vossos 2.370 €uros.
Vocês podem pagar impostos do lixo, sobre o consumo da água, do gás e electricidade.
Aí pagam segurança privada nos Bancos, urbanizações, municipais enquanto nós, como somos pobres, nos conformamos com a segurança pública.
Vocês enviam os filhos para colégios privados, enquanto nós aqui nos EUA as escolas públicas emprestam os livros aos nossos filhos prevendo que não os podemos comprar.
Vocês não são pobres, gastam é muito mal o vosso dinheiro. Ou então, vocês Potugueses são uns estúpidos!

Que vou responder ao Eddie? Por favor dêem-me sugestões.

publicado por LauraBM às 00:09

10
Jun 09

smile-chorar.gifTem toda a razão!
Eu é que estou muito envergonhada por ser oriunda de um país onde a classe médica tudo faz para prejudicar os doentes, e sobrepõe honorários ao juramento de Hipócrates:
Prometo que, ao exercer a arte de curar, mostrar-me-ei sempre fiel aos preceitos da honestidade, da caridade e da ciência.
Penetrando no interior dos lares, meus olhos serão cegos, minha língua calará os segredos que me forem revelados, o que terei como preceito de honra.
Nunca me servirei da profissão para corromper os costumes ou favorecer o crime.
Se eu cumprir este juramento com fidelidade, goze eu, para sempre, a minha vida e a minha arte, com boa reputação entre os homens.
Se o infringir ou dele afastar-me, suceda-me o contrário.
De notar que o nosso governo também não está minimamente interessado em modificar este estado de coisas;  quando precisam de cuidados médicos têm muito aonde ir, e são atendidos na hora. Pudera, pagam-se bem pelo deplorável trabalho que executam em prol dos portugueses.
Laura B. Martins

======================
Repassando de um amigo lisboeta indignado com as coisas daqui.
"Olhos nos olhos" - Artigo assinado por Teresa Campos na "Visão" de 10/4/2008

AGORA DIGAM SE VIVEMOS OU NÃO NUM PAÍS DE “GENTE” SEM ESCRÚPULOS

Por uma questão de curiosidade, e porque muitos dos destinatários nasceram ou moram nesta terra, ou visitam com frequência o Barreiro, vou reproduzir uma pequena notícia que vem publicada na revista "Visão" de quinta-feira passada, com o título acima indicado e o sub-título "Em apenas 6 dias um oftalmologista espanhol limpou a lista de espera da cirurgia às cataratas, no Hospital do Barreiro"

"José António Lillo Bravo, 45 anos, oftalmologista espanhol, instalou-se de armas e bagagens, como quem diz, com equipa e equipamento, no Hospital Nossa Senhora do Rosário, no Barreiro, e reduziu drasticamente a lista de espera das operações às cataratas
Precisou apenas de seis dias - seis! - para devolver a visão a 234 pessoas.
O procedimento é simples, faz-se em poucos minutos, só com anestesia local; o oftalmologia aplica o método (= facoemulsificação) há mais de uma década, e permite ao doente voltar para casa no dia da intervenção. E pelos seus próprios pés.
Sem pudores, José Bravo precisa que, nos dias em que esteve no Barreiro, e com a ajuda da sua equipa, fez 48 intervenções diárias : 24 de manhã e 24 de tarde - contra as 50 por ano, em média, dos médicos locais, e que resultaram, no final de 2007, numa lista de espera de 384 pessoas.
Por cada cirurgia, o espanhol, recebeu 900 euros. Um valor que, garante a administração do Hospital, é compensador : corresponde a metade do preço pedido pelos médicos portugueses."

Fim do artigo. Assinado: Teresa Campos.
(REVISTA – VISÃO)
=======================
Nem todos os médicos portugueses trabalham por amor à arte, é mais por amor ao dinheiro... Não é novidade para mim, mas o profissionalismo deste médico espanhol é de admirar!
GRANDE PARTE DA “CLASSE MÉDICA PORTUGUESA” DEVERIA ESTAR ENVERGONHADA.

publicado por LauraBM às 23:49

10
Jun 08

boicote.jpgDurante uns dias vamos boicotar os postos de gasolina?

Sabem quanto é que eles perdem por dia?

Nem imaginam!

São uns milhões de euros que a gente paga bem pagos para eles terem lucros cada dia mais substanciais.

Pretendem continuar assim?

Somos mesmo mansos!!!!!!!

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Visite o site http://boicote.pt.vu/

publicado por LauraBM às 23:47

02
Jun 08

AS REFORMAS POLÉMICAS DOS MINISTROS

Para além de ter previsto, no próprio dia em que tomou posse, um inevitável aumento dos impostos, Luís Campos e Cunha protagonizou um dos episódios mais marcantes nos primeiros 100 dias do Governo de José Sócrates.
A revelação de que o ministro das Finanças aufere uma reforma vitalícia no valor de oito mil euros por mês por ter sido vice-governador do Banco de Portugal, durante seis anos, surpreendeu o País.
Mas Campos e Cunha não foi o único ministro apanhado nesta situação: Mário Lino, ministro das Obras Públicas, acumula também duas reformas com o salário de membro do Governo. Um fundo privado, do extinto IPE, e uma pensão de reforma da Segurança Social, somam uma quantia de 5600 euros brutos mensais.

AS MEDIDAS DO PLANO DE ACÇÃO DE COMBATE AO DÉFICE

IMPOSTOS: Aumento da taxa máxima de IVA, de 19 para 21 por cento. Aumento dos impostos sobre tabaco e produtos petrolíferos. Introdução, em 2006, de um novo escalão de IRS (42%) para rendimentos superiores a 60 mil euros.

FRAUDE: Intensificar cruzamento de dados entre o Fisco e a Segurança Social. Agravar sanções por incumprimento. Levantamento do sigilo bancário em situações especiais. Levantamento do sigilo fiscal, publicando as declarações.

BENEFÍCIOS: Rever isenção de IVA na reestruturação do sector bancário. Eliminar benefícios fiscais injustificados ou excessivos. Novos limites aos benefícios em sede de IRC. Eliminar redução do lucro na Zona Franca da Madeira.

DESPESAS: Dois ministérios alvo de auditoria, em cada três meses, para melhoria da eficiência, eficácia e contenção de despesa. Cativação imediata de cinco por cento das verbas dos hospitais, que não respeitem a ordenados.

MEDICAMENTOS: Medidas para prevenir fraudes e abusos na comparticipação de medicamentos. Proteger interesses do Estado na margem de lucro do circuito produção-distribuição, prevendo a redução dos preços no consumidor em seis por cento.

FUNCIONÁRIOS: Revisão do actual sistema de carreiras e remunerações na função pública e a entrada em vigor, até final de 2006, de um novo regime. Suspensão das progressões automáticas, sem tocar nas progressões por mérito.

REGALIAS: Limitação das regalias dos administradores de empresas de capitais maioritariamente públicos, como prémios anuais de gestão, restrição da escolha de viatura de serviço e limite à acumulação de vencimentos.
---------------------
Rui Arala Chaves / PORTUGALCLUB

publicado por LauraBM às 18:34

15
Mar 08

Isto sim, é um insulto aos portugueses que sobrevivem com reformas miseráveis e ordenados precários numa taxa de inflação fictícia que o governo nos enfia pela goela abaixo. Mas custa a engolir!!!!!

--------

Laura

PauloTeixeiraPinto.jpgCom 46 anos… Inapto por Junta Médica… Hein?… Diz-se ainda que com reforma de 35.000 Euros mensais…!

O nosso problema continua a ser a distribuição de riqueza…   O problema não está nos funcionários públicos.… O tempo o dirá!…
As notícias que dão conta da desumanidade das juntas médicas são manifestamente exageradas. Afinal há quem não se queixe das mesmas.
Ontem mesmo, em carta enviada ao Público, Paulo Teixeira Pinto indica que passou "à situação de reforma em função de relatório de junta médica" .
Certamente ainda mal refeito da forma como foi corrido do BCP e da Opus Dei, este banqueiro de 46 anos foi considerado inapto para o trabalho, apesar de já ter arranjado um cargo numa consultora financeira.
Teixeira Pinto nega ter recebido 10 milhões de euros de "indemnização pela rescisão do contrato" com o BCP, garantindo que apenas recebeu a "remuneração total referente ao exercício de 2007" : 9.732 milhões de euros em "compensações" e "remunerações variáveis". Estas juntas médicas são as mesmas que recusam reformas a Funcionários  com Cancro 
-----------------------
18/02/2008
Ivo Lourenço/Nubélia

publicado por LauraBM às 23:29

05
Ago 07

farpasverm.gif 

«O país perdeu a inteligência e a consciência moral.
Os costumes estão dissolvidos, as consciências em debandada, os carácteres corrompidos.
A prática da vida tem por única direcção a conveniência.
Não há princípio que não seja desmentido.
Não há instituição que não seja escarnecida.
Ninguém se respeita.
Não há nenhuma solidariedade entre os cidadãos.
Ninguém crê na honestidade dos homens públicos.
Alguns agiotas felizes exploram.
A classe média abate-se progressivamente na imbecilidade e na inércia.
O povo está na miséria.
Os serviços públicos são abandonados a uma rotina dormente.
O Estado é considerado na sua acção fiscal como um ladrão e tratado como um inimigo.
A certeza deste rebaixamento invadiu todas as consciências.
Diz-se por toda a parte: país está perdido!»
O PAÍS ESTÁ PERDIDO!

Isto foi escrito em 1871, por Eça de Queirós, no primeiro número d'As  Farpas.

publicado por LauraBM às 16:47

06
Jul 07

carroUE.JPG Ora cá está a foto das bombas que os gajos compraram para servir «os mais» da Presidência Europeia.

Os carritos do James Bond pouco mais tinham! rsssss

Mas, claro, o James Bond estava ao serviço dum país rico e trabalhava para Sua Majestade.

Aqui, a Majestade não vale nada!!!!! rsss

E esta, hem?

E a gente paga?????????

Paga mas não mete o pé dentro DELES nem no ..... DELES que bem precisavam!

publicado por LauraBM às 14:52

02
Jul 07

1) o governo dá 1.000 euros (mais IVA) a quem mandar abater o seu carro com 15 anos para comprar um novo. Parece fixe? Não é! É tanta a chatice burocrática que isso dá e o tempo que leva, mais estar 3 semanas (no mínimo) sem carro, à espera do novo... 1.000 euros no valor de um carro novo pago em prestações representa o quê? 2) os carros novos com menos emissão de CO2 vão descer de preço já em Julho. Um carro barato, acessível ao Zé povinho, desce em média 600 euros de preço (o que é 600 euros no preço de um carro novo pago em prestações?) Parece fixe? Não é! O selo de circulação do mesmo carro passa a custar 130 euros em vez de 30, ou seja, mais de 4 vezes mais. Ainda que eles não aumentassem anualmente o selo de circulação, o que farão, fica o povo a pagar mais de 4 vezes mais de selo por ano até ao fim do carro.  dasssse...
isto não é um governo, é uma comissão liquidatária!

-------------

29/06/2007

Sara Rafael 

 

cacetenacabeca.gif

NOTA:
E assim nos enrolam com estas balelas!
Mas compraram uma frota de carros novinhos para pôr ao serviço dos manda-chuvas da Comissão Europeia!!!!!!!!
Isto num país que não tem dinheiro «para mandar cantar um cego», é obra!!!!!!!!!!!!!
Quer dizer: nós não temos porque «ELES» o gastam todo. Então, alguém tem que fazer economias, não é?

É assim como se eu estivesse cheia de dívidas, o dinheiro não me chegasse para nada e fosse comprar um carro de luxo para passear uns amigos que só vêm passar um fim de semana nas férias. Que tal?

E não terão vergonha com o país neste estado?
E de virem para a TV dizer que é preciso haver contenção de despesas, também não?
Mas que caras de pau!!!!!!!!!!!!!!
-----------------------
Laura B. Martins

publicado por LauraBM às 22:54

10
Jun 07

As opiniões são diversas. As contestações são muitas. Mas o que realmente interessa saber é para que é que os portugueses querem um TGV que não tem espaço para andar como um TGV. Mal arranca já está em Espanha!   rsssssss
Ah, desculpem! Os portugueses não querem? Já têm bons comboios?
Ó sr, primeiro Ministro, então como é que é? Em democracia não se impõem TGVs às populações que não os querem, ouviu?
-------------------
Laura B. Martins
locomotiva_azulvermelha.gif 

"Há uns meses optei por  ir de Copenhaga a Estocolmo de comboio.
Comprado o bilhete, dei comigo num comboio que só se diferenciava dos nossos Alfa por ser menos luxuoso e dotado de menos serviços de apoio aos passageiros.
A viagem, através de florestas geladas e planícies brancas a perder de vista, demorou cerca de cinco horas.
Não fora ser crítico do projecto TGV e conhecer a realidade económica e social desses países, daria comigo a pensar que os nórdicos, emblemas únicos dos superavites orçamentais, seriam mesmo uns tontos.
Se não os conhecesse bem perguntaria onde gastam eles os abundantes recursos resultantes da substantiva criação de riqueza.
A resposta está na excelência das suas escolas, na qualidade do seu Ensino Superior, nos seus museus e escolas de arte, nas creches e jardins-de-infância em cada esquina, nas políticas pró-activas de apoio à terceira idade. Percebe-se bem porque não construíram estádios de futebol desnecessários, porque não constroem aeroportos em cima de pântanos, nem optam por ter comboios supersónicos que só agradam a meia dúzia de multinacionais .
O TGV é um transporte adaptado a países de dimensão continental, extensos, onde o comboio rápido é, numa perspectiva de tempo de viagem/custo por passageiro, competitivo com o transporte aéreo.
É por isso, para além da já referida pressão de certos grupos que fornecem essas tecnologias, que existe TGV em França ou Espanha (com pequenas extensões a países vizinhos).
É por razões de sensatez que não o encontramos na Noruega, na Suécia, na Holanda e em muitos outros países ricos.
Tirar 20 ou 30 minutos ao Lisboa-Porto à custa de um investimento de cerca de 7,5 mil milhões de euros não trará qualquer benefício à economia do País.
Para além de que, dado hoje ser um projecto praticamente não financiado pela União Europeia, ser um presente envenenado para várias gerações de portugueses que, com mais ou menos engenharia financeira, o vão ter de pagar.

Com 7,5 mil milhões de euros podem construir-se mil escolas Básicas e Secundárias de primeiríssimo mundo que substituam as mais de cinco mil obsoletas e subdimensionadas existentes (a 2,5 milhões de euros cada uma), mais mil creches inexistentes (a 1 milhão de euros cada uma), mais mil centros de dia para os nossos idosos (a 1 milhão de euros cada um).
Ainda sobrariam cerca de 3,5 mil milhões de euros para aplicar em muitas outras carências, como a urgente reabilitação de toda a degradada rede viária secundária.

CABE ao Governo REFLECTIR.
CABE à Oposição CONTRAPOR.
CABE AOS CIDADÃOS MANIFESTAREM-SE!!!
-------------------------------------
artigo recebido via Internet, s/autoria

publicado por LauraBM às 10:56

05
Jun 07

bruxa_loira.gifO TAL QUE FALA TANTO DE CORRUPÇÃO,

TAMBÉM TEM TELHADOS DE VIDRO!

"O gabinete do vereador José Sá Fernandes (BE) custava ao orçamento DA Câmara de Lisboa 20.880 euros por mês.
Nove assessores, uma secretária e um coordenador de gabinete.
Salários mensais entre 1530 euros e 2500 euros (fonte CM).

Peço desculpa, mas não percebo: o homem nem sequer tinha pelouros, pois não?
Era mesmo só ir às reuniões do executivo, não era?
Pois, eu sei, a vida custa a todos e o caviar está muito caro."
ou "Aqui há bruxedo"

publicado por LauraBM às 00:02

01
Jun 07

O novo estádio da cidade de Al-Kahder, nos arredores de Belém, na  Cisjordânia, cuja construção foi financiada por Portugal, através do Instituto Português de Cooperação para o Desenvolvimento, vai ser inaugurado na próxima segunda-feira.
O recinto custou dois milhões de dólares, tem capacidade para seis mil espectadores, é certificado pela FIFA e dispõe de piso sintético e iluminação. A cerimónia de inauguração abrirá com uma marcha de escuteiros locais, conduzindo as bandeiras de Portugal e da Palestina, e a execução dos respectivos hinos nacionais."
E aqui está ...   http://www.sportugal.pt/noticia.php?noticiaID=2173

- Já fechámos urgências, maternidades, centros de saúde e escolas primárias, mas oferecemos um estádio à Palestina.
- Devíamos fechar o Hospital de Santa Maria e oferecer um pavilhão multiusos ao Afeganistão.
- A seguir fechávamos a cidade Universitária e oferecíamos um complexo olímpico (também com estádio) à Somália...

... e por último fechávamos a Assembleia da República e oferecíamos os nossos políticos aos crocodilos do Nilo!!!
----------
27/05/2007

publicado por LauraBM às 23:51

04
Jun 05

Alega Campos e Cunha que a sua pensão do Banco de Portugal
«é um direito adquirido, legal e legítimo».
Também as reformas aos 60 anos eram. Ou as promoções automáticas. Ou os sistemas especiais de saúde e de pensões de várias profissões. E o ministro não se coibiu de os abolir ou reduzir drasticamente".
José António Lima, "Expresso", 4-6-2005


Infelizmente, o Ministro das Finanças está doente e deu entrada no Hospital de Stª Maria.
Lamentamos o incidente mas compreendemos, finalmente, porque é que as Finanças portuguesas estão tão mal de saúde!!!!!
O Ministro adoeceu e recorreu aos Hospitais portugueses!!!!!

Os outros Ministros não deram parte de fracos, (naturalmente recorrem à medicina aqui do lado!.....)
Mas pobre sofre.......... E de que maneira!

Desejamos sinceramente o rápido restabelecimento do sr. Ministro para que o país possa, então, restabelecer-se do ataque às n/ carteiras!
--------------
18/07/2005
Laura B. Martins

publicado por LauraBM às 00:29

08
Mar 05

Boas Vidas  no Fundo de DESEMPREGO PARLAMENTAR!?!?!?
virus_aoataque-2.jpg
Nem tudo vai mal nesta nossa República ( para alguns)
Com as eleições legislativas de 20/Fevereiro, metade dos 230 deputados não foram eleitos.
Os que saíram regressaram às suas anteriores actividades sem, contudo saírem tristes ou cabisbaixos.
Quando terminam as funções, os deputados e governantes têm o direito, por Lei (deles) a um subsídio que dizem de reintegração:
- um mês de salário (3.449 euros) por cada seis meses de Assembleia ou governo.
Desta maneira um deputado que o tenha sido durante um ano recebe dois salários (6.898 euros).

Se o tiver sido durante 10 anos, recebe vinte salários (68.980 euros).
Feitas as contas aos deputados que saíram, o Erário Público desembolsou mais de 2.500.000 euros.
No entanto, há ainda aqueles que têm direito a subvenções vitalícias ou pensões de reforma (mesmo que não tenham 60 anos).

Estas são atribuídas aos titulares de cargos políticos com mais de 12 anos.

Entre os ilustres reformados do Parlamento encontramos figuras como:

- Almeida Santos ...........................   4.400, euros;
- Medeiros Ferreira ........................   2.800, euros;
- Manuela Aguiar ..........................    2.800, euros;
- Pedro Roseta ...............................  2.800, euros;
- Helena Roseta .............................  2.800, euros;
- Narana Coissoró ........................... 2.800, euros;
- Álvaro Barreto .............................. 3.500, euros;
-Vieira de Castro ............................. 2.800, euros;
- Leonor Beleza ............................... 2.200, euros;
- Isabel Castro ...............................  2.200, euros;
- José Leitão ..................................  2.400, euros;
- Artur Penedos ............................... 1.800, euros;
- Bagão Félix ................................... 1.800, euros.
(mais a reforma que usufruiu antes dos 60 anos).

Quanto aos ilustres reintegrados, encontramos os seguintes:

- Luís Filipe Pereira  .................  26.890, euros / 9 anos   de serviço;
- Sónia Fortuzinhos ..................  62.000, euros / 9 anos  e meio de serviço;
- Maria Santos .........................  62.000, euros /9  anos de Serviço;
- Paulo Pedroso .......................  48.000, euros /7 anos  e meio de serviço;
- David Justino ......................... 38.000, euros /5  anos e meio de
serviço;
- Ana Benavente .....................   62.000, euros/9 anos  de serviço;
- Mª Carmo Romão .................   62.000, euros /9 anos de  serviço;
- Luís Nobre Guedes .................  62.000, euros/ 9 anos e  meio de serviço.

A  maioria dos outros deputados que não regressaram estiveram lá somente a última legislatura, isto é, 3 anos, o suficiente para terem recebido cerca de 20.000, euros cada.

É assim a nossa República (das bananas) !!!!!!!!!!!!!

Os bananas somos nós que não nos manifestamos para acabar com este estado de coisas, onde os deputados auto legislam.
É esta a classe política e os "paraquedistas" clientelares por eles metidos em cargos dirigentes da administração pública, que tem a lata de pedir sacrifícios aos restantes portugueses para debelar a crise...e os autênticos funcionários públicos são o "bode expiatório" do despesismo!!!!!
---------------------------------------
PORTUGALCLUB

http://groups.msn.com/assembleiadarepublica

publicado por LauraBM às 13:34

02
Mar 05

S.Lopes_rosto.jpg Ex-PM atribuiu subsídio já depois das eleições

O ex-primeiro ministro (PM) Pedro Santana Lopes assinou, já depois das eleições, a 22 de Fevereiro, um despacho que atribui ao secretário-geral dos Serviços de Informação da República Portuguesa (SIRP), Domingos Jerónimo, um subsídio mensal de mais de 1.200 Euros.

Segundo a edição desta quarta-feira do Diário de Notícias, o despacho foi publicado na segunda-feira passada no Diário da República e prevê que o subsídio tenha efeitos retroactivos, desde Dezembro último, altura em que Domingos Jerónimo se tornou, por nomeação de Santana Lopes, o novo homem forte das secretas nacionais.
De acordo com Lei Orgânica dos SIRP, aprovada em Setembro passado, o cargo de secretário-geral é equiparado ao de secretário de Estado, respondendo directamente perante o primeiro ministro, a quem cabe a sua nomeação ou exoneração.
Antes de assumir o cargo, Domingos Jerónimo foi secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, o que levou a que toda a oposição tenha criticado a sua escolha.
--------------
16/03/2005
Adé Caldeira :
PORTUGALCLUB

publicado por LauraBM às 18:39

"O Congresso Nacional é um local que:
se gradear vira zoológico,
se murar vira presídio,
se colocar uma lona em cima vira circo,
se colocar lanternas vermelhas vira prostíbulo
e se der descarga não sobra ninguém."

======================

Frase do Dia, do Mês, do Ano e do Século

“Portugal é hoje um paraíso criminal onde alguns inocentes imbecis se levantam para ir trabalhar, recebendo por isso dinheiro que depois lhes é roubado pelos criminosos e ajuda a pagar ordenados aos iluminados que bolçam certas leis.”


===================================

"Ponha-se na presidência qualquer medíocre, louco ou semi-analfabeto, e vinte e quatro horas depois a horda de aduladores estará à sua volta, brandindo o elogio como arma, convencendo-o de que é um gênio político e um grande homem, e de que tudo o que faz está certo.
Em pouco tempo transforma-se um ignorante em um sábio, um louco em um gênio equilibrado, um primário em um estadista.
E um homem nessa posição, empunhando as rédeas de um poder praticamente sem limites, embriagado pela bajulação, transforma-se num monstro perigoso".

-------------------------------------------

General Olímpio Mourão Filho
(in A Verdade de um Revolucionário de 1978)



ESSA FRASE DEVE CONTINUAR CIRCULANDO....

Frase da filósofa russo-americana Ayn Rand (fugitiva da revolução russa, que chegou aos Estados Unidos na metade da década de 1920), mostrando uma visão com conhecimento de causa:


“Quando você perceber que, para produzir, precisa obter a autorização de quem não produz nada; quando comprovar que o dinheiro flui para quem negocia não com bens, mas com favores; quando perceber que muitos ficam ricos pelo suborno e por influência, mais que pelo trabalho, e que as leis não nos protegem deles, mas, pelo contrário, são eles que estão protegidos de você; quando perceber que a corrupção é recompensada, e a honestidade se converte em auto-sacrifício; então poderá afirmar, sem temor de errar, que a sua sociedade está condenada”.


Qualquer semelhança com o Brasil e o Portugal de hoje, não é mera coincidência...


"Um povo imbecilizado e resignado, humilde e macambúzio, fatalista e sonâmbulo, burro de carga, besta de nora, sacos de vergonhas, feixes de misérias, sem uma rebelião, um mostrar de dentes, a energia dum coice, pois que nem já com as orelhas é capaz de sacudir as moscas...”

--------------------------------------------

Guerra Junqueiro, in "Pátria", escrito em 1896

O problema de Portugal é que quem elege os governantes
não é o pessoal que lê o jornal, mas quem limpa o traseiro com ele!


Para que serve a política?

*Funcionamento do blog:
Clique sobre cada TAG e veja os arquivos do tema.
*Antiguidades óptimas
*A sair do forno
Um povo imbecilizado, uma classe política corrupta...
Eu não ligo muitos aos conceitos 'Direita' e 'Esqu...
Por favor, ajude-me a trazer esta petição para a a...
EU NÃO ME ENQUADRO NESSE ...
Nem sei que responda a um caso tão dramático.A rea...
A TRÍADE SALOIA Casino Estoril Sol IIINo caso da ...
as Eleições em Portugal a Comissão Nacional de Ele...
Em relação aos sistemas económicos, muito se tem f...
Se com uma pensão inteira já é quase impossível ...
Isso é governar, não é comprar votos como fazem L...